segunda-feira, 30 de junho de 2014

QUE O SOM...

Que o som dos teus fonemas
Não sejam vãos alheios morfemas
A boiar no "oceano da ignorância".
Que ele tenha sema, rema
para de uma vida virar tema...

Que o som do teu sorrir
Contagie e estagne choros e faça-se seguir
Com risadas gostosas
Sisudos rostos com dulcíssimas gargalhadas.

Que o som do teu canto
Alegre dos teus próximos a vida;
Que esta não seja da felicidade tímida, contida
Mas que seja a expressão feliz de um belo espanto.

Que o som da vida continue a ecoar
dos teus lábios sapientes a dizer
palavras de acalento, coerção e correção;
às vezes rígidas, muitas vezes doces, mas indispensáveis ao coração
pois um verbo severo também o caráter molda
E aprimora o sujeito para melhor ser!