domingo, 22 de setembro de 2013

TERNA ANTÍTESE

Rasgando fibras, músculos e alma
A navalha da transgressão
Fere, corta, mutila, corrói.
Aflorados sentimentos, inflamados e sem calma
Que ainda pulsam no estagnado coração
Onde os sangrados/sagrados momentos de amor remói.

Hematomas no íntimo bem marcados, amor,
Onde o lilás amor, hoje dor,
Descoloriu-se, avermelhou
E, num intenso febril fulgor, arroxeou.
E a antes ternura, anti ternura  virou.

Pedidos de perdão já me foram solicitados
Em tons de saudade um sim me roubou
Mas a grande ferida aberta no íntimo não cicatrizou
Fotos sentimentos, momentos e peito rasgados

Emoção, razão e rancor
são díspares ímpares flagelados
A antes ternura, anti ternura virou!

Pois a antes terna ternura
Forte anti ternura estou

Anti ternura sou!

Nenhum comentário:

Postar um comentário