terça-feira, 24 de setembro de 2013

LEVE

Sem saber por quê, sentindo-me leve!
Que se eleve em mim
Esse meu leve sim.
Que a vida, transbordando em alegrias, paz e fé
Faz,  dentro de mim, balé.
E esse meu íntimo pueril dançar,
Num ritmo dissolutamente breve,

As voltas que a vida, em nós, dá.


Isaías Ehrich

domingo, 22 de setembro de 2013

AINDA NÃO ENTENDO OS SEUS PORQUÊS

O sangue que da boca escorreu
Trouxe junto o amor que você perdeu
Medo, angústia e fobia
Era mais dolorosa a decepção que sentia.

Tantas juras de amor proferidas...
Mentira!
Eram injúrias a mim escondidas!
Que despertaram-me IRA.

Sem razão, você matou minha emoção
Não entendo os seus porquês
Meus sonhos, alegrias e sorrisos não sei por onde estão
Fiz-me capacho do seu querer.
Desfiz-me para te satisfazer
Ocultei-me para te enaltecer
E você apenas me usou a bel-prazer.

Ainda não entendo os seus porquês.
Não sei se por decepção ou por prazer
Sua gana de posse e poder
Fez, num ímpeto de fúria, o nosso amor pelo esgoto escorrer.


Isaías Ehrich

A Ira do Amor

A ira do amor
É mais intensa que a delícia de amar.
A ira do amor
Faz-me esquecer teus acalentos
Adormece em mim bons sentimentos
Nutridos por você em gozo amor.
Hoje estão postos ao relento
Expulsos de mim pela ira do amor.

Atrevida traição me fez ter
Envolvida num tesão proceder
Desculpada por um leso querer
E à tua dona Razão enaltecer
O tão nobre mesquinho ser.

Sobejado de minha paixão
Teu amor, minha imensa emoção
Soterrada por teu instinto querer.
Hoje, a vingança me clama
Para dela seu guerreiro ser
E a ela minha única esperança
de novamente eu me SER.

E a ira do amor
Em meu íntimo sussurra:
"_Vinga-te da traição e da surra!
_Faça-o sentir intensamente tua dor!"

É a ira do amor:
A vingança alimentada com rancor!

Isaías Ehrich

TERNA ANTÍTESE

Rasgando fibras, músculos e alma
A navalha da transgressão
Fere, corta, mutila, corrói.
Aflorados sentimentos, inflamados e sem calma
Que ainda pulsam no estagnado coração
Onde os sangrados/sagrados momentos de amor remói.

Hematomas no íntimo bem marcados, amor,
Onde o lilás amor, hoje dor,
Descoloriu-se, avermelhou
E, num intenso febril fulgor, arroxeou.
E a antes ternura, anti ternura  virou.

Pedidos de perdão já me foram solicitados
Em tons de saudade um sim me roubou
Mas a grande ferida aberta no íntimo não cicatrizou
Fotos sentimentos, momentos e peito rasgados

Emoção, razão e rancor
são díspares ímpares flagelados
A antes ternura, anti ternura virou!

Pois a antes terna ternura
Forte anti ternura estou

Anti ternura sou!

Labareda da Ira

Um gemido profundo pelo ar se vai
Solavancos de leves a intensos na cama
Confundem-se com um pedido que, aos poucos, se inflama:
"_ Por favor, para! Ai!"

O colchão amacia movimentos
Uma voz impetuosa corta o meio-silêncio:
"_ É pouco ou quer mais?"
Um chuveiro se abre e aplaca o incêndio
Que a labareda da ira aumentou por um momento,
alimentando-se com muitos ais.

O quarto em penumbra continuou
A madrugada atônita calou
Para que os sussurros dos corpos falassem
E sangue a suor se misturassem.

E essa união não era amor
Era íntima e externa dor!

Isaías Ehrich

Reticências de Silêncios

As tuas razões não entendo.
As minhas emoções não compreendes.
Em nossas intenções enlouquecemos.

Assim nosso amor se fez:
Inebriado em nossa maluquez.
Misturado a uma emoção racional se fez.
Constrangido por uma razão emocional se desfez.

Entre reticências de silêncios vou vivendo.
Às exclamações interrogativas de tua razão, pendes.
Em nossos travessões esquecemos
Que nossos sonhos
Pontuados com amor
São agora vazios tristonhos
Lacunados numa dor.

Isaías Ehrich

SEMPRE TEMOS UMA RAZÃO


Sempre temos uma razão para sonhar
Sempre temos uma razão para amar
Sempre temos uma razão para vingar
Sempre temos uma razão para louvar
Sempre temos uma emoção para deixar
Sempre temos uma emoção  para  levar
Sempre temos uma emoção para a razão pairar.

Sempre temos uma razão e uma emoção para sofrer
Sempre temos uma razão para vencer
Sempre tive uma emoção para você!
Sempre temos uma razão para crescer
Sempre tive intimidades com você.
Sempre temos uma razão para descrer
Sempre temos uma razão para crer!

Sempre temos uma razão para fugir
Sempre temos uma emoção a outra emoção unir
Sempre temos uma razão para punir
Sempre temos uma razão para pedir
Sempre temos uma emoção para insistir
Sempre temos uma razão  para desistir.

Sempre temos uma razão.
Sempre temos uma emoção.
Sempre temos razão!
Sempre temos emoção!
Razão...

Emoção!

Isaías Ehrich