terça-feira, 18 de dezembro de 2012

POEMA A SÃO GONÇALO

Oh, terra querida!
São Gonçalo
de mil maravilhas.

São Gonçalo,
terra serena
de juventude plena
que Deus veio cuidar.

São Gonçalo, terra querida!
Que em sua serra abriga
a  EAFS, a Gruta de Lourdes
e este açude
para nos refrescar.

São Gonçalo,
Que, entre outros fatores
tem belas flores
e  muito mais amores

Oh, São Gonçalo da minha vida!
Tu és sem dimensão
a terra querida
do meu coração.

Isaías Ehrich

In: Nas asas da imaginação. Vol. II.  Sousa: EAFS, 1999. p. 31

domingo, 9 de dezembro de 2012

Anjo pueril

Em meus braços adormecido
Um anjo rebelde deleitou-se
Suas asas recuadas e seu semblante comedido
Buscavam apenas alento fraternal
Sua forma em estado pueril transformou-se.

Tão humana aquela criatura agora era
Carinho atenção e alento
foi o que sempre quisera
Respeito e limites também
para não cair nas armadilhas do mal
e seguir as virtudes do bem!

Inércia das horas

O tempo para nesse momento agitado!
Os pensamentos procuram acalmar
Os inquietos nervos incomodados
Com a mansidão dos ponteiros a deslizar
Por um relógio-pêndulo na mente
Que de tão pensamentos ansioso estarem
A sensação é a de que o relógio mente.

E as mãos inquietas começam
a enviar sinais torpes para os dedos dançarem
num ritmo dissoluto a estralarem.
E o palpitar do coração, antes dormente
agora, demente...

O corpo reage trêmulo
A cada segundo-hora transcorrido
E aquela marcação em pêndulo
tictacizam  meus neurônios aturdidos
Por um instante que não chega.

A eternidade resolveu aqui descansar!
E essa mesa tomá-la como leito
Na inércia das horas repousar,
Enquanto o coração ansioso a palpitar
Arrebenta de impaciência as fibras do meu peito.

Isaías Ehrich
(09.12.12)

domingo, 2 de dezembro de 2012

Formosa, amada e bela!

Gaia tem inveja de tu
por possuíres um  sereno, não meigo olhar;
mais malicioso que os de Capitu:
olhos de ressaca de desejo!
que escondem a libido de tuas entranhas
a efervescer com sutis mornos beijos
a sensualidade e as artimanhas
de quem por teu corpo vive a passear.

Dizem alguns: promíscua!
Outros gananciosos te abusam.
Estupram o teu corpo fértil
devastam as tuas partes ainda virginais.
Mesmo assim, tu te resistes;
 não te permites estéril
e em troca alimenta aos que te usam,
mesmo mutilada e cheia de ais!

Em nome do progresso te rasgaram
fizeram de tuas pernas, canais;
dos teus pés, ponto final de correntezas fluviais.
Tuas mãos, extensões de fé e trabalho.
o teu ventre, nuclearam e dividiram
o teu seio  ora aumenta e transborda
depende da pressão e volume de gotas
que sobre o teu peito caem
ou das que da grande boca saem,
enchendo-te de puras "águas maternais".

Deram-te casas, escolas e vários outros prédios
Trouxeram-te vários homens e várias mulheres também
Pessoas que te sugaram e não te quiseram nenhum bem
esgotaram tuas forças, o teu ventre salinizaram.
O teu corpo envenenaram e tua voz sufocaram.

Mas tu, mesmo agonizante
te manténs bela!
Mesmo quando rica, sempre foi singela.
Hoje, usada, abusada e maltratada
São Gonçalo, tão formosa e amada,
Não perde a força, mantém a fé!

Isaías Ehrich
02.12.2012